[INGLATERRA] Londres - 4 dias imperdíveis - Roteiros detalhados

O que fazer em quatro dias em Londres

Neste post continuaremos o detalhamento da nossa sugestão de roteiro de 4 dias inteiros em Londres, aproveitando ao máximo os dias que os museus ficam abertos a noite.

Detalhamento dos Roteiros


DIA 1 - Compras e Museus


Este roteiro combina a principal área de compras da cidade, ao redor da Oxford Street, com a  vizinha região de MaryLebone, charmosa e elegante região londrina repleta de museus interessantes.
Da estação de metrô do Piccadily Circus até o museu do Sherlock Holmes são cerca de 4km. Dependendo do seu interesse em compras na Oxford Street, você pode adiantar a visita aos museus e dar uma esticadinha ao Reagent Park e ao Zoologico de Londres, que ficam bem próximos também, podendo incluir até um passeio de barco.


  • INÍCIO : Leicester Square Underground Station
  • FIM : Baker Street Underground Station (Museu Sherlock Holmes)




Manhã/Tarde



A primeira parada é na Leicester Square, uma famosa e agitada praça de Londres, que concentra um grande número de teatros e restaurantes movimentados durante todo o dia e noite. De lá, dê um pulinho na não menos famosa Piccadilly Circus, uma confluência de ruas na parte mais comercial de Londres.

De lá, você pode ir andando pela Regent Street, mas se tiver o passe livre de metrô e vá diretamente para a estação de Oxford Circus e siga caminhando na Oxford Street sentido leste até a estação da Bond Street. A Oxford Street é a rua que concentra lojas de departamento, eletrônicos e comércio em geral. Se estiver atrás de compras de equipamentos desta natureza aqui provavelmente é o local que irá achar mais opções de todos os preços na área central da cidade.

Terminada a sessão de compras, faça um almoço rápido ou compre um lanche em algum minimercado para quando a fome apertar na visita aos museus. É hora de conhecer a Wallace´s Collection, uma galeria particular com objetos de arte , mobiliário e armamento de uma das famílias mais tradicionais de Londres. A visita é gratuita e leva cerca de 1 hora para ter uma idéia da coleção. Depois da visita, se for religioso ou gostar de admirar a arquitetura tradicional, vale a pena dar uma passadinha na St James Church, uma das poucas igrejas católicas de Londres. O interior da igreja é maravilhoso e muito silencioso, perfeito para um break no ritmo intenso do dia.

Tarde

Recarregada as baterias,  continue subindo a rua Manchester em direção a MaryLebone Street, onde fica o Madame Tussauds, o mais conhecido museu de cera do mundo. Tem salas temáticas para todos os gostos, desde a família real britânica até os heróis da marvel. O ponto negativo fica por conta das imensas filas e preço alto, confesso que quase desistia de visitar, mas utilizei a estratégia de deixar a visita por último, justamente porque o preço e as filas são menores de tardinha. No final das contas, acabamos nos divertindo muito lá dentro e achei que valeu a pena, mas existem outras opções de entretenimento por perto.





Saindo do Tussauds, logo se encontra o Sherlock Holmes Museum, na clássica Baker Street 221B. Para quem é fã, vale a pena entrar e sentir o clima do mais famoso detetive do mundo, mas esteja avisado que o museu é bem simples e o ingresso não é barato. Talvez para a maioria das pessoas, uma foto com o guarda na entrada já seja o suficiente. Se o tempo estiver bom, você pode dar uma esticadinha ao Regent Park.

Neste imenso parque existem muitas atrações a serem conferidas, logo no começo pertinho do Museu Shrlock Holmes dá para admirar uma parte das mansões conhecidas como "terraços", projetadas por John Nash, o arquiteto "real" da Inglaterra, que projetou dentre outros edifícios marcante, a Catedral de St Paul. Adentrando o parque mais um pouco fica  o Jardim de Rosas da Rainha Mary, magnífico especialmente na primavera/verão. Margeando o lado oeste do parque , se encontra outros "terraços", mais luxuosos e pitorescos , enquanto no Norte está o London Zoo e o Canal onde é possível fazer um passeio de barco.

O Regent Park é talvez o parque que mais tenha gostado em Londres, mas é preciso ter tempo para curti-lo apropriadamente, então sugiro esticar aqui somente se o seu roteiro não foi muito puxado durante o dia, ou seja, não tenha batido ponto em todas as lojas e museus pelo caminho.

Noite

E a noite? A dica é, sempre que possível, maximizar seu tempo e conferir as late nights nos museus da cidade, ou seja, conferir se tem algum deles que fique aberto até mais tarde naquele dia. As últimas quartas-feiras do mês são o dia de curtir o  Science Museum até mais tarde, fique atento ao link para saber se houve alguma alteração : late nights no science museum.

Chegando no Science Museum, no bairro de South Kensigton, já ficamos boquiabertos com o prédio do museu em si, que mais parece um palácio. Dentro é uma verdadeira aula de ciência e tecnologia, com várias atrações interativas, mas o que achamos mais interessante era que em algumas salas rolava uma festa completa, com música alta e bebidas, com jovens dançando bem ao lado de mísseis, cápsulas espaciais e turbinas de avião. Quem falou que ir a museu é programa de velho mesmo?

E lembre-se que mesmo se não der para curtir nenhum museu em horário especial é sempre possível terminar a noite com chave de ouro em um pub,


Para descontrair, vou contar uma história real que aconteceu comigo em uma destas late nights. A região de South Kensington é repleta de restaurantes e pubs como o  Hoop & Toy e nessas noites que os museus ficam abertos até mais tarde ficam bem animados. Nos empolgamos tanto nesta noite que acabamos perdendo a hora e dando de cara com a estação de metrô fechada. O jeito foi voltar pro hotel de ônibus, porém era necessário fazer uma baldeação no centro. Foi um verdadeiro choque quando descemos no piccadilly circus em plena 1 hora da manhã e parecia ser dia, tal a quantidade de pessoas na rua. Nos divertimos muito com essa volta pra casa improvisada depois de umas english ale a mais no pub. Mas isso faz parte da vida do viajante, aliás , sair à noite em Londres parece ser diversão garantida, pois toda noite acontecia algum episódio engraçado ou surpreendente nos pubs da cidade.

Dia 2 - Antiguidades e Tradições

O Reino Unido é uma nação que se orgulha de suas tradições e louva seu passado de superpotência mundial. Se os EUA tem o dólar, os britânicos tem a libra e se os franceses tem o Louvre, a Inglaterra tem o Museu Britânico. Nesse roteiro poderemos vivenciar um pouco mais da cultura e tradição dessa extraordinária nação.


Manhã

Nesse dia, reserve uma manhã inteira para o principal museu da cidade : O Museu Britânico. A coleção de raridades é imensa, desde a pedra Roseta e múmias egípcias até esculturas do Parthenon grego. O mais inacreditável é que a entrada é gratuita, mais uma dádiva de Londres.

Tarde

Após a visita ao Museu Britânico , você pode escolher uma das feiras ou mercados para visitar,

Uma das opções é o Convent Garden, um antigo mercado cercado de opções de entretenimento e compras, como a Neil´s Yard. Outra excelente opção são as feiras de Nottingham Hill ou Camden Market.

Noite

Neste dia não consegui descobrir nenhuma late night, aproveite para curtir um pub com mais tempo, uma experiência única quando estiver na Inglaterra. Peça uma Bitter, a tradicional cerveja inglesa, acompanhada de um fish and chips. Não há maneira melhor de entrar definitivamente no clima londrino.


Dia 3 - A Londres da família real e das guerras

A tradicional monarquia inglesa é tão parte de Londres quanto as cabines telefônicas, o metrô ou o Big Ben. Neste dia, poderemos presenciar de perto a herança monarquista que está presente nos palácios, parques reais, monumentos e museus espalhados pela cidade, principalmente no distrito de Westminster. Mesmo que você tenha perdido a razão e só tenha 1 único dia para aproveitar em Londres é este roteiro que você deve fazer.


  • INÍCIO : Queensway (Kensington Gardens) ou St James (St James Park) Underground Stations
  • FIM : Waterloo (London Eye), Charing Cross (National Gallery) ou South Kensignton (Science Museum)


Manhã




Comece o dia pelo Jardins Reais. Antes privilégio exclusivo dos monarcas, que utilizavam esses parques para suas caminhadas privativas ou como área para fazer caçadas, hoje essas áreas verdes podem ser desfrutadas por todos.

Dois destes parques, o Kensignton Gardens e o Hyde Park, divididos pelo lago Serpentine, onde aconteceram algumas provas aquáticas nas olimpíadas de Londres de 2012 ficam a oeste do Palácio de Buckinghan e valem uma agradável amanhã para explorá-los.

Recomendo começar a visita pelo Kensington Gardens  (a estação de metrô Queensway é a mais próxima), atravessar os parques a pé e sair pelo Hyde Park, no Speaker´s Corner, vizinho a Apsley House. De lá até o Palácio de Buckingham são mais uns 10 minutos de caminhada por uma avenida muito bonita e arborizada. Lembre-se de começar a caminhada cedo, porque a troca de guardas acontece às 11h30m.

Porém é bom estar ciente que, embora a caminhada por dentro dos parques seja bem agradável, pois há muitas  fontes, jardins e monumentos, ela é longa, cerca de 5km, e exige certa disposição.  Se for encarar, chegue por volta das 9h e evite fazer esse roteiro em um dia de chuva.
Se decidiu começar pelo Kensington Gardens, não esqueça de visitar além do Palácio de Kensington, antiga moradia da princesa Diana e atual moradia do casal real Willian e Kate,  o Albert Memorial , a estátua do peter pan e o memorial da princesa Diana. No Hyde Park a grande atração é o Serpentine, o lago artificial no coração do parque. Não substime o tamanho dos parques, fiquei por lá umas 2 horas e não consegui ver todas as atrações, portanto priorize o que deseja ver.

Saindo do Hyde Park, você vai dar de cara com a Apsley House e o Arco de Wellington. A mansão é residência do Duque de Wellington, o famoso comandante inglês que derrotou Napoleão na Batalha de Waterloo. Hoje transformado em museu a visita vale principalmente pelo valor histórico da construção e da estátua de Napoleão nu na escadaria principal, mas há vários objetos de arte muito valiosos, como pinturas de Velasquez. Porém, dificilmente dará tempo de fazer uma visita aqui se você quiser ver a troca de guarda. Se quiser realmente entrar na casa, é melhor seguir direto para o Palácio e pegar um bom lugar para assistir a cerimônia e depois voltar com mais tempos para a visita da mansão. Aqui dá para usar o '2For1' em qualquer mês do ano que a casa esteja aberta.

Passando pelo Arco de Wellington, chega-se a Constitution Hill e mais a frente ao Victoria Memorial e, finalmente, ao Palácio de Buckingham, residência oficial da Rainha Elizabeth. Cercado de grades, o local fica lotado de turistas para ver a troca de guarda que ocorre todos os dias as 11h30m durante os meses de Maio a Julho e em dias alternados no restante do ano.

É uma cerimônia pomposa, onde pode-se observar a guarda e cavalaria real desfilando pelas ruas, normalmente acompanhados por uma banda de música. Apesar da lotação, vale a pena conferir pelo menos na primeira visita a Londres. Para ter uma idéia melhor veja o vídeo abaixo :



E quem não gosta ou não pode andar este tempo por algum motivo? Neste caso, vá ao St Paul Park, bem menor e mais próximo ao Palácio de Buckingham : é só descer na estação St James e fazer o curto caminho pelo parque até a casa da Rainha, o caminho todo é bastante pitoresco e não vai tomar mais do que 1 hora. O Mapa completo começando por St James está abaixo :



Tarde


Do Palácio de Buckingham , faça um piquenique no St James Park (há restaurantes dentro do Parque como o Inn the Park) de onde você pode chegar até a Trafalgar Square através da belíssima avenida The Mall, que começa no Memorial Victoria em frente ao Palácio de Buckingham e termina no Admiralty Arch, o arco que leva até Trafalgar Square.

A Trafalgar é uma das principais praças de Londres, repleta de monumentos e prédios históricos. Logo na saída do metrô, você encontrará a St Martin in the Fields, a igreja paroquial da família real, em cujo subsolo está o cafe in the crypt, um excelente restaurante que serve tanto refeições completas quanto café no horário da tarde. Observe agora no centro da praça a coluna de Nelson, o heróico almirante Inglês, um dos homens mais conhecidos do seu tempo e repare no leões de bronze que se destacam pelo tamanho colossal. Mas a principal atração da praça são mesmo os dois museus : a National Gallery e National Portrait, ambos com entrada gratuita e com um acervo respeitável de pinturas e fotografias, respectivamente. Se escolher um dia de sexta como eu fiz, ganhe tempo e deixe para voltar mais tarde para visitar os museus que ficam abertos até as 21h. Caso contrário, dê uma olhada apenas na National Gallery (entrada gratuita).

Agora é hora de visitar Westminster, o bairro que concentra as principais repartições públicas e prédios do Governo. Siga a Whitehall em direção Sul, a primeira parada é na House Guard´s Parade, onde fica baseada a cavalaria real britânica. Seguindo adiante, dê uma espiadela na casa do primeiro ministro inglês, que fica protegida por uma barreira policial na entrada da Downing Street.

Siga caminhando um pouco mais a frente e encontrará  a Abadia de Westminster, o mais importante templo Anglicano e o local tradicionalmente utilizado para coroação dos monarcas britânicos. Se por fora a visão da Igreja é belíssima, por dentro estão os túmulos de inúmeras personalidades britânicas como Isaac Newton , Charles Darwin, Charles Dickens, além de vários monarcas do Reino Unido.

Porém, o valor da entrada da Abadia é bem salgado e os horários de visitação são limitados, mas para os viajantes econômicos há a possibilidade de assistir a missa com entrada gratuita, normalmente por volta das 17h. O chato é que você é "vigiado" o tempo todo por funcionários da igreja e não dá pra passear por dentro do santuário, mas dá pra ter uma idéia da grandiosidade do local.

Mais um pouco a frente você dá de cara com a impressionante Parliament House onde fica o símbolo maior de Londres, a torre do Big Ben. Atravesse a ponte para uma visão de tirar o fôlego.

Noite

Para fechar a noite com chave de ouro, dê uma volta na  imensa roda gigante conhecida como London Eye. A visão em um dia claro é incrível, todos os pontos turísticos de Londres podem ser fotografados de um ângulo especial, repare  na riqueza de detalhes da Igreja de São Paulo e da Parliament House. Não esqueça de aproveitar a promoção '2-1' que ainda dá direito a assistir um filme em 4D bem legal.

Não esqueça se estiver aqui em um dia de sexta dá para voltar para Trafalgar Square para visitar os museus que ficam abertos até as 21h.. Eu gostei mais do National Gallery, mas é um museu grande e um tanto cansativo, procure pesquisar o que deseja ver com antecedência.

  • Dica :

    • Alternativamente, nas últimas sextas feiras de todo mês acontece as late nights no Victoria & Albert Museum e no Museu de História Natural, ambos localizados em South Kensigton. O primeiro é um museu de artes decorativas que é uma verdadeira aula de bom gosto, com várias peças de arte, jóias, esculturas e todo tipo de peças de decoração. Pra falar a verdade, não achei que fosse gostar tanto do V&A, mas ele é realmente impressionante, um dos melhores museus  que já visitei no mundo. O segundo museu tem como grande destaque do primeiro são os esqueletos de dinossauros e uma reprodução de um T-Rex mecânico, que se movimenta e urra como um verdadeiro réptil. Animais empalhados também fazem parte do acervo do museu. Confira se vai rolar na sexta que deseja aqui e aqui.

Dia 4 - A Cidade de Londres

Poucos sabem que a cidade de Londres propriamente dita, ou city of London, corresponde a uma pequena área onde a cidade foi erguida há milhares de anos atrás. Este roteiro explora esta região que hoje concentra o centro financeiro do Reino Unido, sede da bolsa de valores, instituições bancárias e também de algumas das mais conhecidas (e antigas) e imperdíveis atrações de Londres, entre elas a Torre de Londres e a Catedral de São Paulo.

Manhã



Recomendo começar a manhã pelo borrough market , um dos mais divertidos e centrais mercados ingleses. Turistas e habitantes se misturam nas barraquinhas de frios, queijo, verduras, frutas e comidas típicas. Aproveite para degustar vários produtos regionais e artesanais oferecidos de cortesia pelos comerciantes locais.

Depois siga a margem do Tâmisa rumo a indefectível Ponte de Londres (London Bridge), que liga a margem sul até o castelo conhecido como Torre de Londres (Tower of London). Atravessando a ponte, a entrada e bilheteria do castelo estão à esquerda. A fortificação compreende diversos prédios, torres e muralhas que abrigam um pedaço vivo da história do Reino Unido. Ao longo dos quase mil anos de existência da Tower of London, ela já serviu de residência de monarcas, zoológico, prisão e foi palco de inúmeras execuções como a de Ana Bolenha. O tour em inglês com os guardas da Torre, conhecidos como beefeaters, são demorados e bastante divertidos.  Eles contam muitas histórias, inclusive de assombrações famosas do local e mostram a capela do palácio. Depois, você fica livre para explorar os outros prédios, entre eles o que abriga as jóias da coroa e a Torre Branca, o primeiro palácio de toda a fortificação. Há muito o que se ver, portanto fique o tempo que for necessário para curtir ao máximo.

Tarde

Após o almoço, você pode dar uma olhada na City of London, lotada durante os dia de semana, mas bem tranquila nos fins de semana e feriados. O roteiro em destaque é uma caminhada bastante extensa de quase 6km. Dependendo do tempo gasto na Tower of London, não sobrará tanto tempo para essa caminhada, portanto talvez seja necessário resumí-la. O que achei mais interessante no distrito foi o monumento (The Monument), uma lembrança do incêndio que quase destruiu a cidade e o mais afastado museu de Londres, onde pode se ter a noção exata de como era a cidade desde o início até a transformação em uma metrópole moderna. O incêndio de 1666 e a revolução industrial são cobertos com destaque.

Mas a grande atração da tarde sem dúvida tem que a Catedral de São Paulo, que é a segunda maior Igreja do mundo, atrás somente da Catedral de São Pedro do Vaticano. Por dentro, ela é ainda mais fantástica, lindíssimas obras de arte de valor inestimável. A visita guiada vale muito a pena e você pode visitar a cripta e o restaurante na parte inferior, assim como a cúpula que tem uma bela vista de Londres.

Noite

A dica do sábado a noite é atravessar a ponte do Milênio e conhecer o Tate Modern, considerado uma das mais importantes galerias de arte moderna do mundo, em um prédio que antigamente era uma usina de energia. Tem muitos trabalhos realmente interessantes, mas eu esperava um pouco mais, talvez por não estar acostumado a este tipo de arte.

IMPRESSÕES FINAIS


Infelizmente tivemos que dar adeus a essa belíssima cidade que nos recebeu tão bem na nossa primeira viagem à Europa. Ficou a impressão de uma nação trabalhadora, honesta e educada, consciente do seu valor e da sua história, que dão uma verdadeira aula de civilidade para o mundo.

Além disso, é uma cidade que sempre esteve presente no meu imaginário juvenil e em grande parte dos jovens brasileiros, seja nas estórias dos livros dos cursos de Inglês ( saudades da Casa de Cultura Britânica da Federal do Ceará), nas  aventuras de Sherlock Holmes ou mesmo no mapa de Londres do jogo Detetive, a verdade é que tudo em Londres tem algo de familiar. O Big Ben, a Tower of London, o Thames River e até mesmo a neblina, o famoso "fog" inglês, já estavam na minha memória antes mesmo de  poder vivenciar tudo aquilo de perto.

  • Dicas:

    • Use e abuse da visita gratuita aos museus, especialmente durante as late nights.
    • A melhor maneira de utilizar o metrô e demais transporte públicos da cidade são os travelcards (passe livre). O travelcard de 7 dias tem um custo benefício imbatível, mesmo se você for ficar menos tempo (a partir de 4 noites)
    • Tente viajar antes do fim de Abril para aproveitar a promoção 2-1, onde cada ingresso comprado você ganha outro.
    • Tune Hotel Westminster - Ótimo hotel de baixo custo, apesar das instalações minúsculas e serviços pagos por fora, localiza-se ao lado de uma estação de metrô, e a curta distância do distrito de Westminster (London Eye, Parliament House, Westminster Abbey) e do Imperial War Museum.
    • Perto da Estação St Pancras também há boas opções de hospedagem a custo razoável. É uma melhor opção caso chegue de Eurotrain até a cidade.