[Uruguay 2012] Dia 1 : Chegada em Montevideo : mala quebrada e ônibus do aeroporto

Normalmente em minhas andanças pelo mundo afora procuro sempre economizar com aquilo que acho supérfluo, para que não deixe de aproveitar as verdadeiras atrações dos lugares que visito. Assim, vôos, transfers, táxi e lugares estilo arapuca de turista CVC eu sempre tento enxugar o máximo possível. Gosto de caminhar, interagir com a cultura local e misturar-me aos habitantes da região. E quem pega vôo de milhas  promocional é assim mesmo, sai de madrugada, escala em São Paulo, Porto Alegre para finalmente chegar em Montevideo. Até aí tudo bem , eu nem me incomodaria se não fosse a mala quebrada.


Pior que a atendente da gol de Montevideo veio com um papinho dizendo que não abria reclamações por pequenos danos. Como é? Pequenos danos ? Alow, vocês quebraram uma mala semirígida de fabricação alemã que havia acabado de comprar nas férias passatam. O dano foi sério, estava óbvio que era só uma questão de tempo para a rodinha cair. Foi preciso elevar o tom e exigir que ela abrisse a reclamação, mas como iria ficar pouco tempo no Uruguay resolvi deixar a mala para conserto quando voltasse para Fortaleza (se ela resistisse até lá).

Chegando no aeroporto de carrasco em Montevideo fica a primeira dica : se tiver pouca bagagem não pague taxi, pois uma empresa só tem monopólio no aeroporto e cobra caro pelo serviço. Sai muito mais barato pegar um ônibus de linha para o centro de montevideo. São 33 pesos a passagem e pode pagar ao motorista na hora.

Depois de dar um jeitinho para acomodar as malas e uma baita viagem,  descemos no centro da cidade próximo a praça Cagancha, daí foi só caminhar uns 10 minutos e chegamos ao hotel já quase começo de noite. O Hotel Ibéria é bacaninha, estilo econômico, bem próximo das atrações principais da cidade.

Agora o que cabe informar é que o centro de montevideo em si está muito desgastado, me lembrou muito o centrão de buenos aires só que ainda mais decadente e empobrecido. As calçadas não estão em bom estado e se vê pedintes e mendigos na rua com certa frequência. À primeira vista impressionou negativamente, pois tinha uma imagem diferente da capital uruguaya.

Nessa noite só deu tempo de ir no supermercado e experimentar o famoso pancho do la passiva que tem no molho seu ingrediente principal. Eu gostei, já a Gil achou com gosto de fermento de pão =). Mas independente do gosto pessoal, o ambiente de lá é bem bacana, vale a pena ir...  mais detalhes do la passiva e do pancho nesse excelente blog.

Comentários